Custo logístico: Guia para reduzir custos e melhorar o orçamento anual

Custo logístico
11 minutos para ler
Compartilhe:

Uma das principais missões para empresários e gestores de empresas é a redução dos custos. É como diz Carlos Alberto Sicupira, um dos sócios majoritários da Ab/Inbev: custos são como unhas. É preciso cortar sempre!

Contudo, um bom administrador sabe que não basta cortar despesas. Elas precisam ser eliminadas com estratégia para evitar impactos produtivos.

Uma das áreas onde a redução de gastos é sempre bem-vinda está na logística. O setor é conhecido como potencial gerador de despesas, algo que se agrava se olharmos para o histórico de aumento de valores.

De 2012 para cá, os custos logísticos estão em alta, e alguns dos motivos são a falta de investimento em tecnologia e melhorias simples, mas extremamente eficientes. 

No Brasil, gasta-se cerca de 58% a mais com logística se comparado ao quanto gastam as empresas estadunidenses. As despesas chegam a 12% do nosso PIB!

Sabe o que tudo isso significa? Que o sucesso empresarial do Brasil e sua competitividade de preços no mercado global necessita de processos mais baratos. E é justamente isso que vamos debater a partir de agora.

Montamos um guia com informações essenciais para reduzir custos logísticos e melhorar o balanço financeiro anual do seu negócio. Quer saber mais sobre esse tema e como aplicar no seu dia a dia? 

Faça a leitura e tire suas dúvidas!

O que é custo logístico?

São considerados custos logísticos os gastos que uma empresa tem com os processos  de logística, tais como:

  • Transporte;
  • Armazenagem;
  • Embalamento;
  • Estocagem de produtos.

Entram aqui também o que se gasta com transporte de mercadorias, os salários dos funcionários do setor e a manutenção da frota de veículos de transporte. 

Essas despesas fazem parte da rotina de qualquer negócio e impactam diretamente no cálculo do custo total e, claro, no valor que é repassado ao consumidor final. 

Toda operação gera despesas, certo? E nem todos eles podem ser cortados sem abalar a qualidade daquilo que a instituição comercializa. 

No caso da logística, existem alguns que surgem por conta de processos defasados, falta de tecnologia ou treinamento adequado da equipe responsável por essas atividades. 

Para você entender esses impactos e como surgem essas despesas, detalhamos as principais delas nos próximos tópicos. Acompanhe!

Armazenamento

Aqui entram gastos como aluguel de um galpão para armazenagem ou os gastos com energia elétrica do galpão onde a empresa guarda seu estoque.

Também são considerados custos de armazenamento a compra de equipamentos como pallets, empilhadeiras e carrinhos de transporte. 

Mas aqui fica um ponto de reflexão: gastos com equipamentos são necessários para fornecer boas ferramentas aos trabalhadores e, com isso, tornar o trabalho mais eficiente.

Ou seja, alguns gastos são investimentos que o empresário faz para otimizar o setor logístico. 

Transporte e frota

Aqui se enquadram as despesas que a empresa tem com a compra e manutenção dos veículos usados para o frete. 

Além disso, o gasto com combustível e pedágio durante os trajetos de entrega também entra nesse ponto.

Embalagem

Quando falamos em embalagem na logística, não podemos pensar apenas na embalagem primária, aquela que envolve o produto e muitas vezes já vem pronta do fabricante. 

Os processos logísticos envolvem embalagens secundárias e terciárias, que são usadas para unir lotes de produtos e facilitar o transporte.

Tarifas e impostos

A logística também gera tributos. Os mais conhecidos são:

  • ICMS: Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e Serviços
  • ISSQN: Impostos sobre Serviços de Qualquer Natureza

O controle e gestão desses impostos geralmente fica sob tutela do setor contábil e financeiro de uma empresa. 

Contudo, é interessante que o gestor conheça quais são as taxas e alíquotas que precisam ser pagas e quais são as operações que dão origem à tributação.

Mão de obra

Aqui entram os gastos empresariais com a contratação de colaboradores para atuar nas operações logísticas. 

O setor costuma gerar despesas altas com recursos humanos, uma vez que as tarefas exigem manuseio de ferramentas e trabalho físico. 

Tecnologia

Também não podemos deixar de fora os gastos com ferramentas tecnológicas aplicadas à logística. 

São alguns exemplos de soluções digitais usadas pelo setor:

  • Sistemas de controle de estoque;
  • Programas de gestão de frota;
  • ERPs;
  • CRMs.

Estamos falando de investimentos importantes, que visam a melhoria no controle das operações, análise de performance, gestão de pessoas e monitoramento dos KPIs logísticos.

O objetivo dessas ferramentas é bem simples: dar visibilidade e gerar dados para que a empresa tome as melhores decisões e reduza custos em suas operações, potencializando o retorno financeiro. 

Como calcular o custo logístico?

Como calcular o custo logístico

Essa não é uma resposta simples, sabe por quê? Porque cada empresa opera de uma forma, têm seus processos e limites estruturais.

Contudo, é possível fazer um mapeamento dos custos em seu negócio.

Se você é gestor de uma empresa ou trabalha no setor logístico, comece separando as operações

catálogo equipacenter 2023

Assim será possível ter clareza sobre as despesas mais macroscópicas, como mão de obra, manutenção de ferramentas, gastos com transporte etc.

Contudo, a logística tem despesas distribuídas por todo o fluxo comercial, desde a aquisição do cliente até o pós-venda. Por conta disso, é recomendado não utilizar muitas médias na hora dos cálculos.

Existem técnicas mais precisas para identificar os valores. Algumas delas são:

1. Direct Product Profitability (DPP);

2. Análise de custos cliente a cliente, com valores aplicados à matriz de lucratividade;

3. Criação de missões logísticas – nessa técnica, cada etapa dofluxo de aquisição do cliente se cruza com os processos para identificar os custos.

Todas essas técnicas de cálculo de custo logístico foram muito bem detalhadas neste artigo da Fretefy, uma empresa que desenvolve softwares logísticos.

Contudo, se quiser começar com algo mais simples, nada te impede de montar uma tabela para organizar os custos que mencionamos no capítulo anterior. 

Veja um exemplo: 

ArmazenagemTransporteTecnologiaEstoque
Energia elétrica e água Compra e manutenção de veículosCompra / contratação de sistemas de controle logísticosReposição de mercadorias
Aluguel de galpãoGasto com combustível e pedágioGastos com manutenção de sistemas Frete para entrega dos produtos adquiridos
Gastos com compra de equipamentos (EPIs, pallets, estantes, paleteiras etc)Impostos de circulação de mercadoriasContratação ou terceirização de mão de obra para TIImpostos e taxas sobre a compra de produtos
Consumo de combustível de empilhadeiras e outras máquinasDiárias para motoristas em viagens longasMão de obra 
Investimento em segurança do galpãoContratação de frete terceirizadoGastos com embalagens
Mão de obra Mão de obra 

Como reduzir o custo logístico?

Para reduzir os custos logísticos, o segredo está no controle e mapeamento das operações. 

Somente um gestor que tem visibilidade sobre as etapas de seu setor consegue entender onde é possível cortar gastos sem afetar a qualidade do trabalho.

Portanto, o primeiro passo é criar um mapa das operações. Em seguida, você pode aplicar um sistema simples de controle de cada etapa, assim como te ensinamos anteriormente.

Isso é o básico para começar a reduzir as despesas com racionalidade, concorda? Agora, vamos falar de 3 passos um pouco mais aprofundados!

1. Capacitação de equipe

Sabe porque os grandes times de futebol são os grandes vencedores? Por que eles investem pesado para treinar seus jogadores. A mesma lógica se aplica a qualquer empresa que deseja ter sucesso.

A capacitação é ponto-chave para redução de gastos. Funcionários que recebem treinamentos de qualidade são capazes de aumentar a eficiência nas operações do dia a dia. 

2. Adoção de tecnologia

Empresas que usam sistemas logísticos e outras ferramentas tecnológicas para controlar suas operações têm mais visibilidade sobre os gastos e a performance do setor

Esses dados servem para reduzir os erros na tomada de decisão, o que é indispensável para diminuir prejuízos e reduzir custos. 

3. Melhoria no maquinário e ferramentas

Alguns gastos precisam ser olhados como investimentos de curto, médio ou longo prazo. No caso da renovação dos equipamentos usados no setor logístico, o que parece uma despesa à primeira vista torna-se um ganho após alguns meses de uso.

Isso ocorre porque a adoção de melhorias nas ferramentas de trabalho gera impactos diretos sobre a produtividade, a rentabilidade e o custo-benefício de cada processo.

Imagine uma empresa que vende sacos de cimento. Agora, imagine 2 grupos de pessoas carregando um grande caminhão. Um grupo não tem nada além das mãos, o outro tem uma empilhadeira. 

Quem você acha que tem será mais eficaz na tarefa? 

A mesma coisa se aplica a um galpão. Imagine um local cheio de sacos de cimento espalhados pelo chão sem muita ordem. A circulação é difícil, o acesso aos produtos é muito complicado e a contagem de estoque fica toda prejudicada.

Agora, imagine transformar esse lugar com o uso de pallets, estantes reforçadas, paleteiras e empilhadeiras elétricas? 

Pode acreditar: equipamento bom é indispensável para o sucesso da sua logística.

Custo logístico do Brasil X outros países

Lá na introdução, nós falamos rapidamente sobre essa relação, agora, vamos detalhar um pouco mais essa história.

De acordo com pesquisas, o Brasil gasta cerca de 12% do seu Produto Interno Bruto (PIB) para custear as operações logísticas. Aqui entram todas as verbas aplicadas ao transporte, estoque, serviços administrativos e armazenagem. 

Para se ter ideia do tamanho desta cifra, essa porcentagem representa mais de 800 bilhões de reais!

A realidade é bem diferente dos Estados Unidos. Os norte-americanos gastam entre 7 e 8 por cento de seu PIB. Em números absolutos, os EUA investem muito mais, contudo, a economia deles é bem mais robusta que a nossa. 

Tomadas as devidas proporções, é possível calcular que os três setores da nossa economia — comércio e serviços; indústria e agronegócio — gastam 58% a mais que os setores da economia estadunidense.

A maior parte dessa cifra está no transporte. Isso ocorre porque o Brasil é muito dependente do modal rodoviário, que não é tão barato e tem custos altos.

Portanto, é importante compreender que parte dos gastos logísticos não serão reduzidos do dia para noite.

Muitos deles necessitam de políticas públicas, melhoria de infraestrutura e adaptação de mercado,

Por isso é tão importante analisar as despesas que estão ao alcance da empresa e buscar formas para reduzir esses custos logísticos. 

Reduzir o custo logístico é essencial

Como você pôde acompanhar até aqui, a logística é bastante complexa e possui uma série de fatores e processos que impactam nos gastos gerados e no custo benefício das operações.

Tudo isso se transforma em mudanças no valor do produto/serviço entregue pela instituição ao seu cliente, algo que sempre é um fator delicado e que requer muito cuidado.

Por isso, se sua empresa está em busca de ampliar sua fatia de mercado e reter clientes, é indispensável analisar a precificação e quais são os fatores que a impactam, mas podem ter seu valor reduzido.

A logística, como dito, é um desses fatores onde é possível aplicar mudanças visando a diminuição de despesas. Para isso, é importante se manter informado, investir no controle de processos e informação e oferecer boas ferramentas e equipamentos aos funcionários.

Compartilhe:
Você também pode gostar

Deixe um comentário