Defensivos Agrícolas: Tipos e 5 dicas para evitar desperdícios

Defensivos Agrícolas
11 minutos para ler
Compartilhe:

Você que trabalha na lavoura ou administra a produção rural com certeza sabe que as pragas são um dos maiores desafios do campo. Elas têm enorme potencial destrutivo e podem gerar prejuízos imensos para diferentes tipos de safra.

De acordo com uma estimativa da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO), 40% da produção alimentícia mundial é desperdiçada devido à ação delas.

E, com certeza, você não deseja ver a sua plantação contribuindo para o crescimento dessa estatística, correto?

Para evitar problemas com pragas, o melhor caminho é utilizar os defensivos agrícolas

Contudo, esses produtos não são todos iguais e você precisa entender bem como eles funcionam para acertar na hora da compra e aplicação.

Isso ocorre porque eles possuem fórmulas e usos distintos. Sem o uso correto, a proteção pode não ser adequada às suas necessidades.

Portanto, se o seu desejo é descobrir um modo eficaz de combater as pragas usando esses produtos, siga com a leitura!

A partir de agora você vai descobrir como funcionam e como é feita a aplicação dos defensivos agrícolas. Acompanhe e tire suas dúvidas!

O que são e para que servem os defensivos agrícolas?

Defensivos agrícolas são fórmulas químicas – naturais ou desenvolvidas em laboratório – que agem no controle e erradicação de seres vivos que são ameaças para o homem, os animais de criação e as plantações

Esses produtos também recebem outros nomes, como agrotóxicos, praguicidas ou pesticidas, e se dividem de acordo com sua função. 

Por exemplo, os herbicidas combatem ervas daninhas e plantas invasoras enquanto os inseticidas focam na erradicação de moscas, larvas, besouros e outros insetos. 

Vamos explicar melhor essas diferenças em um próximo tópico, mas confira a tabela com os principais tipos de defensivos:

Tipo de praga combatidaClasse do defensivo agrícola
Plantas invasoras e ervas daninhasHerbicidas
Insetos (moscas, besouros, percevejos etc)Inseticidas
FungosFungicidas
ÁcarosAcaricidas
BactériasBactericidas
RoedoresRodenticida

Além da classificação de acordo com a praga combatida, os defensivos se dividem entre naturais e químicos

Vamos usar o glifosato e o óleo de neem como exemplos:

  • Enquanto o glifosato é uma fórmula química utilizada como herbicida para controle de ervas daninhas, o óleo de neem é um composto natural que funciona como um inseticida. 

Vale destacar também que até mesmo fungos e bactérias podem ser usados como defensivos agrícolas, desde que eles combatam pragas, como insetos ou outros agentes microscópicos. 

Por que a aplicação controlada de defensivos agrícolas é importante?

A aplicação de defensivos agrícolas é algo que gera debate. Algumas pessoas acreditam que os alimentos devem ser 100% orgânicos e cultivados sem o auxílio de defensivos e fertilizantes químicos. 

Já outras creem que a aplicação dessas substâncias é indispensável para o funcionamento do agronegócio e a geração de boas safras.

Independente do seu ponto de vista, é inegável que o uso dos defensores é indispensável para evitar a escassez de alimentos no planeta. 

Como dito no início deste artigo, 40% da produção alimentícia é descartada por conta dos efeitos das pragas. 

Esse número poderia atingir 85% se não fosse pelo uso de defensivos agrícolas mundo afora.

Basta olhar para essa estatística para entender a primeira razão pelas quais agricultores de todo o planeta usam produtos para controle de pragas. 

Sem eles, o mundo viveria uma grande crise de abastecimento alimentício e devastadoras ondas de fome. 

Mas este não é o único motivo que justifica o uso dos defensores por pessoas como você, que vivem do trabalho no campo. Existe também uma razão econômica muito forte.

Produtores rurais – de pequeno porte ou donos de grandes áreas de plantio – investem muito na compra de sementes, fertilizantes, ferramentas de colheita e pagamento de mão de obra. 

Se a lavoura não dá resultado, não há retorno econômico. Se não há retorno econômico, surgem problemas como endividamento e até mesmo abandono de terras produtivas por falta de recursos para manejá-las.

Portanto, fica claro que a aplicação dos defensivos não se justifica apenas pelo fator alimentar.

O uso deles gera sustentabilidade econômica para atividade rural, algo que é indispensável para qualquer produtor que pretende ganhar sua vida neste ramo. 

Por fim, vamos focar um pouco no cenário brasileiro para explicar a importância dos defensivos.

Nosso país é uma potência agrícola, mas que possui um clima bastante desafiador. Uma mesma região pode sofrer com seca, excesso de chuva, calor intenso e geada, tudo em uma mesma safra!

Essa variabilidade climática é um desafio por si só. 

Contudo, os efeitos da umidade e temperatura não impactam apenas nas plantas. Elas também contribuem para o surgimento de diferentes pragas.

5 tipos de defensivos agrícolas disponíveis no mercado

Tipos de defensivos agrícolas disponíveis

Para quem trabalha no campo, não basta só entender a importância e o conceito sobre os defensivos. 

Um dos maiores desafios do produtor é saber qual é o melhor defensivo agrícola à sua disposição. A escolha certa depende do tipo de praga. Veja mais a seguir!

1. Herbicidas

Atuam no combate de plantas daninhas que causam males às culturas

Em quase todas as lavouras existem “plantas intrusas”, que se espalham pela plantação e podem causar diversos danos, desde o roubo de nutrientes do solo até o parasitismo. 

Os herbicidas são aplicados para reduzir a presença dessas plantas e, assim, permitir o crescimento da plantação sem nenhum tipo de competição com outros vegetais. 

2. Inseticidas

Em linhas gerais, todos os inseticidas cumprem a mesma missão: erradicar ou espantar insetos que causam danos às plantações. 

Mas em muitos casos é preciso estudar e identificar bem a praga antes de escolher o produto. Isso ocorre porque diferentes tipos de insetos são combatidos com diferentes fórmulas. 

Dentre as principais pragas combatidas com inseticidas podemos destacar:

  • Broca da cana-de-açúcar;
  • Lagarta helicoverpa;
  • Percevejo-marrom;
  • Mosca-branca.

3. Rodenticida

Os defensivos que combatem os roedores podem ser aplicados tanto em lavouras quanto nos silos, já que é comum que ratos e ratazanas tentem invadir os espaços de armazenamento. 

Banner Catálogo

4. Bactericidas e Acaricidas

Os defensivos agrícolas do tipo bactericida atuam no combate de seres microscópicos que geram doenças em plantações. 

Já os acaricidas combatem os ácaros, que são aracnídeos pequenos, mas que podem causar danos devastadores em lavouras. 

É o caso do ácaro-branco e o ácaro-vermelho, duas conhecidas pragas do café. 

5. Fungicidas

Dentro do reino dos fungos, existem diversos exemplares que atacam plantas e geram doenças.

Uma delas é a vassoura de bruxa, que gerou prejuízos incalculáveis à cultura do cacau. Outra é a ferrugem, que assola certas plantações frutíferas. 

Classificação toxicológica dos defensivos agrícolas

Como você pode imaginar, os defensivos agrícolas possuem fórmulas químicas que podem causar males à natureza quando usados sem os devidos cuidados.

Para evitar a contaminação do solo e até mesmo que pessoas se exponham a riscos durante a aplicação dos defensivos, a ANVISA criou uma classificação toxicológica para esses produtos.

A classificação se divide em dois quadrantes: toxicológica e ambiental

Enquanto a classificação ambiental avalia o impacto que o defensivo traz para o ecossistema onde é aplicado, a classificação toxicológica monitora o nível de toxicidade das substâncias. 

Veja a tabela abaixo para saber como a classificação funciona:

CLASSIFICAÇÃO TOXICOLÓGICACLASSIFICAÇÃO AMBIENTAL
Classe 1 – Extremamente tóxicoClasse 1 – Altamente perigoso para o meio ambiente
Classe 2 – Altamente tóxicoClasse 2 – Muito perigoso para o meio ambiente
Classe 3 – Medianamente tóxicoClasse 3 – Perigoso para o meio ambiente
Classe 4 – Pouco tóxicoClasse 4 – Pouco Perigoso ao meio ambiente

Perceba que não existe uma classificação “não tóxica” ou “não perigosa ao meio ambiente”. 

Isso significa que defensivos agrícolas precisam ser usados com responsabilidade e com as técnicas corretas, tanto para proteger as pessoas e animais quanto para evitar contaminação do ecossistema. 

O uso indevido de defensivos agrícolas é crime que pode gerar punições como altas multas ou até 4 anos de prisão para os produtores responsáveis pela lavoura. 

Defensivos naturais podem ser uma alternativa?

Se você é produtor rural, deseja saber como aplicar defensivos agrícolas, mas se preocupa com a natureza, saiba que os defensivos naturais são boas alternativas.

Eles podem ser usados na lavoura com intuito de proteger a colheita da mesma forma como os compostos químicos, mas também exigem cuidado no manejo

Isso porque eles também podem causar danos ao ambiente e à própria plantação caso não sejam bem aplicados. 

Mas, afinal, o que são os defensivos naturais?

Eles são compostos encontrados na natureza que podem ser usados para o combate de diversas pragas. 

Eles podem ser extraídos de plantas, como óleo de neem, mas também podem ser extraídos de minerais e até mesmo ser compostos por microrganismos.

A biotecnologia aplicada ao campo é uma área da ciência que estuda amplamente o uso de fungos, bactérias e vírus para combater pragas como larvas, lagartas, formigas e percevejos. 

5 dicas para aplicar defensivos agrícolas de forma segura e evitar desperdícios

Depois de entender melhor como funcionam e o que são os defensivos agrícolas, nada melhor do que saber as formas mais eficientes de aplicação, certo? 

Separamos abaixo 5 dicas para que você, produtor rural, possa utilizar essas substâncias da forma mais proveitosa possível.

1. Analise o produto

Antes de aplicar, vale consultar o nível de toxicidade e impacto ambiental, além de conferir a bula para checar as formas de aplicação recomendadas pelo fabricante.

Você também pode usar esta etapa para conferir se o defensivo oferecido está na lista das substâncias que têm uso permitido pela ANVISA. 

2. Confira o Agrofit

O Agrofit é uma central de informações do Ministério da Agricultura que permite ao produtor fazer uma checagem dos produtos mais adequados para cada tipo de doença. 

Depois de receber o diagnóstico sobre a praga, basta inserir o nome da doença no portal para conferir quais são os defensivos mais eficazes. 

3. Fique de olho no calendário de plantio

Defensivos não podem ser aplicados em qualquer etapa da colheita. 

Muitos deles, especialmente os defensivos e fertilizantes foliares, requerem a aplicação de uma etapa de crescimento específico.

Para acertar na aplicação, vale consultar um agrônomo ou empresa especializada para conferir se o momento é propício para fazer o controle da praga. 

4. Escolha as ferramentas certas

Os instrumentos usados para aplicação precisam ser os mais adequados para cada tipo de defensivo. 

Ferramentas como pulverizadores precisam passar por uma regulagem para que a quantidade ideal de produto seja espalhada pela área de plantio. 

5. Conte com a tecnologia para otimizar este processo

Atualmente existem diversas inovações tecnológicas que garantem uma aplicação precisa dos defensivos agrícolas. 

Um bom exemplo são os drones, que são usados tanto para fertilização quanto aplicação de agrotóxicos. 

Além desses equipamentos, vale muito a pena investir em um GPS Agrícola

Este equipamento monitora o trajeto do veículo em tempo real e permite analisar quais áreas já foram protegidas, além de facilitar a construção do trajeto que será percorrido durante a aplicação. 

gps agrícola

Defensivos agrícolas corretos podem auxiliar a lavoura

O uso dos defensivos agrícolas é indispensável para a produtividade das lavouras do Brasil e do mundo. 

Contudo, o produtor rural deve se preocupar com a escolha certa desses produtos e, claro, tomar cuidado durante a aplicação para evitar transtornos ambientais. 

Para evitar erros e otimizar a proteção, conte com a Equipacenter. Aqui você encontra as melhores ferramentas para sua lavoura, além de poder conferir de perto todo o potencial do GPS Agrícola na hora de defender sua produção.

Compartilhe:
Você também pode gostar

Deixe um comentário