Colheita de Arroz: Melhor Época e 3 Principais Métodos

Colheita de arroz
7 minutos para ler
Compartilhe:

Você sabia que o cultivo de arroz é uma prática que remete a mais de 5 mil anos?

Por volta do ano 3.000 a.C, a humanidade passou a produzir esse grão de forma agrícola, e desde então, ele definiu e se estabeleceu na cultura de muitos povos, inclusive no nosso país.

Afinal, convenhamos: arroz e feijão representam mais o Brasil que futebol e samba.

Somos o maior país produtor e consumidor de arroz fora da Ásia, segundo dados da Brazilian Rice.

Em termos de negócio, esses dados demonstram um alto potencial lucrativo interno.

Mas, afinal, como realizar uma boa colheita de arroz e aproveitar ao máximo este grande mercado interno?

É o que apresentaremos neste artigo. Acompanhe!

Qual a melhor época da colheita de arroz?

Apesar da região sul do país reter 80% da produção de arroz de todo o país, esse cultivo ocorre em todo o território brasileiro.

Tendo em vista a extensão territorial nacional e grande variação de flora e clima, para cada região é recomendada uma época diferente de plantio e, consequentemente, de colheita de arroz. 

Veja a tabela abaixo!

RegiãoPlantioColheita
NorteEntre outubro e dezembroEntre fevereiro e maio
NordesteEntre outubro e fevereiroEntre março e julho
Centro-oesteEntre outubro e dezembroEntre março e maio
SudesteEntre setembro e dezembroEntre fevereiro e maio
SulEntre setembro e janeiroEntre fevereiro e maio

É imprescindível, porém, não esperar passar do tempo de colheita para a sua retirada, visto que a perda dos grãos é total ao caírem da sua rama.

Por isso, recomenda-se que a colheita de arroz seja feita quando toda a plantação tiver por volta de 80% a 85% do seu total em estágio de maturação ideal.

Qual é o ponto correto de colheita de arroz?

Assim como todo grão, a qualidade e viabilidade de consumo do arroz depende muito da sua colheita no momento ideal.

De forma geral e tratando de aspectos visuais, quando o grão se apresenta com uma coloração amarelada e consistência dura, ele está pronto para ser colhido.

Esse tempo, porém, varia muito e está relacionado ao ciclo biológico de cada tipo de arroz. 

Abaixo, preparamos uma tabela que demonstra esse tempo médio para cada variedade:

Variedade do ArrozTempo Médio de maturação
Superprecocemenos de 100 dias
Precoceentre 110 e 120 dias
Médioentre 120 e 130 dias
Semi-tardioentre 130 e 150 dias
Tardiomais de 150 dias

Essa é uma informação que vale ouro, visto que colher o arroz no tempo correto é fundamental para ter alta recuperação e não se quebrar na moagem devido a baixa maturidade.

Outro fator que pode ser tomado como indicativo para a colheita de arroz é o teor de umidade do grão.

3 estágios da colheita de arroz

3 estágios de colheita de arroz

Em alguns casos, a colheita do grão não necessariamente seguirá o padrão que apresentamos na tabela acima.

Ela representa o estágio que é conhecido como “faixa ideal”, sendo o tempo ideal para maior aproveitamento do grão para consumo.

Porém, alguns fatores externos podem fazer com que o produtor tenha que colher esses grãos antes ou depois desse estágio, também chamadas de colheita “antecipada” e colheita “tardia”.

1. Colheita Antecipada

Na colheita “antecipada”, os grãos ainda estão pouco desenvolvidos e o teor de umidade é elevado, sendo ruim para a comercialização, visto a elevada probabilidade de quebra do grão e consequente desvalorização no mercado.

Também tendo em vista essa baixa maturação do grão, podem surgir alguns problemas na utilização de máquinas para a realização da colheita, como dificuldade nas trilhas, bem como uma grande presença de palhas.

2. Colheita Tardia

Na colheita tardia, porém, as perdas também ocorrem, mas, de outras formas.

Nesse caso,a longa exposição a fatores externos, como sol, vento e chuva prejudica a qualidade do grão por meio de trincas, que favorecem a quebra do arroz tanto na colheita como no beneficiamento.

Essa diminuição de grãos inteiros representa um desfavorecimento tanto na indústria de alimentos, como na de grãos cultivares, logo que quanto maior o número de quebrados, menor vigor terá para a germinação.

3. Colheita de Faixa Ideal

Sendo assim, o recomendado é realizar a colheita de faixa ideal, que além das características mencionadas anteriormente, também precisa estar com um teor de umidade percentual entre 18% e 23%.

Banner Catálogo

Contar com equipamentos como um medidor de umidade é extremamente importante nesse processo. Isso porque, como visto, se o grão é colhido no momento errado, as perdas podem ser grandes.

3 melhores métodos de colheita de arroz

Mas, afinal, qual o melhor método de colheita de arroz?

De forma simples e direta, tudo vai depender da escala de trabalho que a colheita irá demandar.

Conheça os principais métodos!

1. Colheita Manual

No método manual, a colheita passa pelas etapas de corte, recolhimento e trilha, tudo realizado de forma braçal pelos trabalhadores.

O corte é realizado por meio de cutelos e os feixes são amontoados transversalmente para simplificar o recolhimento dos cultivares.

Em seguida, os feixes recebem golpes de panículas para o desprendimento dos grãos.

É o método de menor desempenho, visto que um único trabalhador pode levar até 10 dias para conseguir cobrir a colheita de 1 hectare.

Por isso, a colheita manual é mais recomendada para produções menores e até mesmo destinada à agricultura familiar.

2. Colheita Semimecanizada

Como o nome sugere, a colheita semimecanizada é um híbrido entre o trabalho manual e a utilização de máquinas.

Nesse processo, todo o trabalho de corte e recolhimento é realizado da maneira tradicional e as máquinas entram no processo realizando o trabalho de trilha.

Com isso, aumenta-se o rendimento da colheita, quando comparado com a colheita manual.

3. Colheita Mecanizada

Nesse método, todo o trabalho é realizado por meio de máquinas, desde o corte até a trilha.

Para isso, o produtor pode contar com colhedoras, trilhadoras, como também ceifadoras para a realização do trabalho de ponta a ponta.

Sem sombra de dúvidas, a colheita mecanizada traz um maior desempenho de trabalho. 

Em especial para as médias e grandes lavouras, é recomendado o uso de GPS agrícolas que traçam um percurso de geolocalização que otimiza ainda mais o desempenho destas máquinas.

Duas ótimas opções de GPS agrícola que recomendamos são o Farmpro MAX 7 e o Farmpro 7 PRO

Preparamos um artigo especial explicando qual a diferença entre eles no nosso blog, vale a pena conferir!

A importância da pós-colheita

Como vimos nos tópicos anteriores, muitas das perdas de grãos acontecem no pós-colheita, seja no armazenamento ou no processamento do arroz.

Por isso, não basta apenas colher corretamente, também é preciso realizar o processo de secagem do grão da maneira correta.

As sementes devem ser armazenadas em silos, após a colheita de arroz, e passarem pelo processo de secagem artificial em até 24 horas, reduzindo sua umidade entre 13% e 14% para evitar descoloração e ataque de pragas.

Existem duas formas de fazer isso:

1. Secagem tradicional

Basicamente, nesse método o grão é exposto à luz solar, sendo espalhados sobre tapetes ou calçadas para esse processo ocorrer.

Por ser extremamente barato e com um custo relativamente nulo, a secagem tradicional é a mais utilizada em diversos países.

2. Secagem Mecânica

A ideia básica deste método consiste em realizar a secagem por meio da utilização de ar quente para a retirada da água ao ponto desejado, geralmente sendo feita em um ambiente mais controlado.

O alimento que não pode faltar na mesa do brasileiro

Afinal, assim como abrimos esse artigo, o arroz já faz parte da cultura do nosso país e para muito além de apenas nos alimentar, ajuda a definir a nossa identidade como um povo.

Saber aproveitar dessa característica tão singular que esse alimento tem com a nossa cultura é um fator fundamental para uma alta lucratividade e rendimento agrícola.

E se esse artigo foi útil para você, não deixe de se inscrever na newsletter da Equipacenter para receber em seu e-mail mais artigos como esse.

Compartilhe:
Você também pode gostar

Deixe um comentário